É lindo, fascinante, derrete

Carole Crema é apresentadora do programa “Cozinha Caseira”, no canal Bem Simples (Fox), chef da La Vie en Douce e das redes Wraps e Go Fresh, além de ser professora da Escola Wilma Kovesi de Cozinha. Teve seu nome firmado na confeitaria nacional devido ao seu trabalho de formiguinha frente à marca La Vie em Douce. Aqui, ela fala da sua vida em meio ao açúcar. Não podia ser diferente.

Como começou seu interesse pela confeitaria?

Sempre fui gulosa… Adoro doces. Com 16 anos, comecei a fazer uns ovos de páscoa para vender. Não sonhava que um dia seria cozinheira. Já estava há uns anos no mercado (como professora) e percebi que havia um gap no Brasil, na área de confeitaria. Achei que juntando a minha gulodice e o espaço no mercado, criaria algo legal.

A confeitaria segue modas?
Claro, super! Hoje a moda ainda são os brigadeiros gourmets e um pouquinho de cupcakes. Lancei os glammies (biscoitos com coberturas coloridas) há dois meses e espero que esta seja a tendência da vez.

Como analisa a confeitaria brasileira dos dias de hoje?
Muito monótona, há cópias e mais cópias. Falta criatividade. Também falta um certo olhar para os doces nacionais.

Qual ingrediente mais gosta de trabalhar?
O chocolate, amo! É lindo, fascinante, derrete.  Possibilita milhões de recheios e variações. Tem nuances.

Qual seu doce mais pega o cliente pelo estômago?
Geralmente os que remetem à infância ou à memória. O brigadeiro de colher foi o primeiro. Quando comecei a servi-lo, em 2002, as pessoas me ligavam para saber o horário das “paneladas”, para vir comer quentinho. Era uma farra, até hoje alguns clientes lembram. Hoje em dia, são as rabanadas. Só faço em dezembro e apenas algumas por dia, em horários determinados, para que fiquem frescas. Muitos clientes correm para chegar na hora da fritura.