Menu primoroso de verão

foto 1

Tem coisa melhor do que sentar-se para uma refeição e sentir a frescura dos alimentos a cada garfada? Pois esta foi a minha impressão, no restaurante Cantaloup, mais especificamente ao provar o cardápio do verão da casa, que privilegia ingredientes leves, refrescantes e coloridos.

Comecei com o carpaccio de aspargos verdes com vieiras e mini brotos. Colorido, bonito, o molusco estava tostadinho, o aspargo cru e crocante.

foto 2

Em parceria com o empresário dono da casa, Daniel Sahagoff, o chef Valdir de Oliveira sugeriu que eu provasse, ainda nas entradas, remoulade de palmito pupunha com lagosta e vinagrete de ovas de mujol. A lagosta doce e tenra contrastando com o limão do tempero.

foto 3

Depois foi a vez de provar, como principal, o ravióli delicado de burrata com molho de manteiga queimada e raspas de baunilha.  Como principal, a casa ainda oferece, neste festival, atum selado com cogumelos eryngui e flor de nirá e risoto de Parma servido no fundo de alcachofra.

foto 4

Nas sobremesas, duas tentações: Sopa fria de cajá-manga, sorbet de maracujá, chips de abacaxi e merengue de laranja (acima) e Cremoso de caju, pitaia, morango e sorbet de manga e purê de cajá. Olha a foto, abaixo, feita pela Carol Gherardi. Aliás, foi este clique que me convenceu de que devia ir ao restaurante provar este menu.

Cremoso de caju, pitanga, pitaia, sorbet de manga e purê de cajá_CarolGherardiX1A4298

Serviço: Cantaloup, Rua Manoel Guedes, 474 – Itaim, SP, tel.: (11) 3078-3445

Fotos: Antônio Carrion e Divulgação/Carol Gherardi

Anúncios

Uma hamburgueria para se conhecer

_ROG7624

Estes dias, fui conhecer a Holy Burger, dos sócios Filipe Fernandes, Gabriel Prieto e Marcus Vinicius, marca que nasceu com o intuito de arrecadar recursos para projetos sociais.

Herbert Holdefer transformou um cômodo pequeno, na Rua Dr. Cesario Mota Jr, Centro de SP – um dos pontos mais agitados da noite paulista, atualmente -, para a instalação do restaurante, que é um primor. A ambientação é feita de elementos rústicos, aço, madeiras, ferros enferrujados, canos de cobre aparentes, lâmpadas antigas, lambe-lambes, um charme.

Holy Burger (3)

O cardápio tem opções que variam entre R$ 15 a R$ 25. O Cheeseburger leva burger, queijo prato, molho de tomate e maionese da casa; o Holy Burger tem burger, queijo prato, alface americana, cebola roxa, picles, maionese, molho de tomate, bacon no pão tradicional; Jelly Burger traz burger, queijo brie e geleia de frutas vermelhas da casa no pão tradicional; Original Burger tem burger, queijo cheddar, cebola caramelizada, bacon, maionese no pão preto; St. Gorgon tem burger, gorgonzola, agrião e cebola caramelizada e maionese, no pão preto e o Vegê tem lâminas de abobrinha, cenoura, tomate, cebola roxa, agrião, picles, cogumelos paris e molho de iogurte, no pão tradicional.

Bolo de chocolate meio amargo com recheio de brigadeiro_fotoRogerioGomes (2)

Para acompanhar, há batatas fritas com casca em versões individual e para compartilhar, que custam R$ 5 e R$ 12. O cardápio, como se vê, é enxuto. E bem executado, mostrando o bom gosto dos sócios! Cada um deles levou sua sobremesa predileta para o menu, que apresenta pudim de leite condensado na latinha, cheesecake com calda de frutas vermelhas e bolo de chocolate meio amargo. Todas as sugestões saem por R$ 12 cada.

_ROG7772

Para beber, o Holy Burger tem uma carta de cerveja com cerca de 15 rótulos, entre opções nacionais e importadas, como por exemplo, Delirium, Gordelícia e variedades da marca Six Point, Brooklin, entre outras. De uma garrafa com 30 litros, que fica no balcão, sai a Pink Lemonade da casa, limonada a base de cranberry, suco de limão siciliano e hortelã fresca, R$ 8, de 500ml.

A casa mal abriu e já pegou. É que além de bem localizada, em ambiente festivo de jovens, os hambúrgueres são bons, feitos com ótimo blend de carne e pão fresco, que desmancha na boca. Além de ter bons preços, claro.   

Serviço: Rua Dr. Cesario Mota Jr, 527, Centro, SP, tel.: (11) 4329-9475

Fotos: divulgação

Cacau e algo a mais…

AMMA_TBF0791

A marca de chocolate baiana Amma apresenta ao público quatro versões de suas tradicionais barras: Qah’wa (café) – 60% cacau; Gula Merah (Açúcar de coco) – 70% cacau; Nibirus (nibs de cacau) – 75% cacau e Flor do Mar (Flor de Sal) – 75% cacau.

Diego Badaró, sócio da marca falou com o Tudo al dente: “Criei as barras com café, nibs de cacau e sal do Ceará, pois quero trabalhar com os sabores tropicais e com a força de nossa biodiversidade. O Qah’wa é uma perfeita harmonização do café com o cacau. O Gula Merah é feito com o açúcar mais antigo da humanidade e de menor índice glicêmico entre todos os açucares. A seiva é retirada das flores do coqueiro nas primeiras horas da manhã. A barra Nibirus é a união da acidez do nibs com o frutado do cacau. O Flor da Mar, mistura o chocolate com uma nuvem de Flor do sal do Ceará, mareando o sabor. O equilíbrio entre esses elementos: flor do sal, açúcar da flor do coco, grão de café, pimenta aroeira (rosa) e nibs (pedaços crocantes de amêndoa de cacau torrada), é o que busco imprimir nos nossos chocolates. Uma experiência que amplie os limites do paladar e que imprima a riqueza dos sabores tropicais, em nome da defesa de nosso maior patrimônio: as florestas brasileiras.”

Aprenda a fazer ‘calamares’ para Iemanjá

calamares manches lula com beterraba 2

A receita está no cardápio do Obá (SP), a partir de hoje (até 1º de fev), no festival que celebra Iemanjá.

Ingredientes: 1kg de lula fresca limpa e cortada em anéis; 3 colheres de sopa de molho shoyu; 1 kg de beterraba; 3 colheres de azeite; ½ colher de chá de gengibre picado; 1 dente de alho picado; ½ pimenta habanero picada (pode ser substituída pela pimenta de cheiro); ½ xícara de suco de limão; 1 xícara de suco de laranja; sal e pimenta. Modo de fazer: Marine a lula em ¼ de xícara de azeite e o molho shoyu. Em uma panela, refogue no azeite o gengibre, a pimenta e o alho. Acrescente as lulas e continue refogando. Coloque os sucos de limão e laranja e acrescente a beterraba. Refogue mais um pouco e sirva acompanhado de uma saladinha.

Serviço: Obá, tel.: (11) 3086-4774

 Foto: divulgação

Para comemorar o aniversário de São Paulo no Centro

imagem_release_355288

Para comemorar os 461 anos da capital paulista, o Terraço Itália oferece, em 25 de janeiro, um bufê  com pratos que homenageiam a cidade, com um toque especial do chef italiano Pasquale Mancini.

O buffet inclui antepastos, carpaccio, cuscuz paulista e rosa de vitelo ao vinagrete. Entre as opções de pratos principais, alguns destaques incluem o camarão à paulista, ravióli de mussarela ao pomodoro, carré de cordeiro com flor de sal e raspas de limão siciliano, arroz de forno, mousse de goiaba com mascarpone (foto), entre outros. O valor do bufê é de R$ 112 por pessoa. Tel.: (11) 2189-2929

imagem_release_355276

***

jana

No dia 21, o Bar da Dona Onça (SP), da chef Janaina Rueda e Jefferson Rueda, recebem a libanesa Aila, ex-proprietária do restaurante Habib Ali, para celebrar o aniversário de São Paulo e a imigração de pessoas do país do Oriente Médio. A partir das 20h, o local oferece esfihas de queijo, escarola e carne fechadas por R$ 18 a unidade. Além disto, Aila leva um prato misto com falafel, babaganuche, homus e tabule, R$ 24. O cardápio do Bar da Dona Onça estará à disposição também. Na programação, há um casal de dançarinos libaneses se apresentará às 22h30. Tel.: (11) 3257-2016

***

Caipirinha de café -1

Para celebrar os 461 anos da cidade e homenagear os imigrantes italianos, a especialista em cafés e proprietária do Il Barista, Gelma Franca, criou com Grappa, iguaria de origem italiana,  cubos de gelo de café, feitos com um dos bleds da casa, uma deliciosa caipirinha de limão. A bebida será lançada no dia 25 de janeiro, feriado na cidade, e todos que visitarem às unidades da rede IL Barista – Cafés Especiais do Shoppings Morumbi e Vila Olímpia, nesse dia, poderão degustar mono dose da bebida, como cortesia. Tel.: (11) 3297-7131

Aprenda a fazer um refrescante Gentlemen Martini

Gentlemen Martini Le Bilboquet

Ingredientes: 50 ml Belvedere Unfiltred; 15ml Chamboard; 10ml Martini Rosso; 10ml Fundador; 10 ml Calvado e 15 gramas tangerina. Misture tudo e sirva em seguida.

Serviço:  Le Bilboquet, Rua Vitório Fasano, 49, Jardim Paulista – São Paulo, tel.: (11) 2615-1510

Foto: divulgação

Comedoria, o novo endereço de Kátia Barbosa

Comedoria_Carne de sol com purê de queijo_Berg Silva (2)

Kátia Barbosa, do Aconchego carioca (no Rio e em São Paulo), acaba de abrir  nova casa na capital carioca, a Comedoria. O bar de comida brasileira tem opções de petiscos que vão dos bolinhos ao aipim frito, além de pratos como o nhoque de feijão verde e carne de sol com purê de queijo. “O cardápio nasceu das inspirações que eu colecionava das minhas viagens pelo Brasil. Criei receitas com ingredientes que já vinha estudando há um tempo e também incluí pratos que são homenagens a amigos queridos, também cozinheiros”, conta. O bolinho de feijoada, uma das suas mais emblemáticas criações, é o único item de do Aconchego que consta no cardápio da Comedoria. Falamos com ela.

Comedoria_Carne seca desfiada , creme cheese , rúcula_Berg Silva (3)

Quais são os movimentos mais interessantes na gastronomia nacional, hoje em dia, no seu ponto de vista? Gosto do movimento de comida popular, da busca das raízes brasileiras. Admiro trabalho de chefs como a Claudinha Luna, do Bar do Seu Luna, no Recife, que faz uma comidinha caseira; e do Picuí  (Wanderson Medeiros). Admiro a maneira como eles olham a comida, com simplicidade e amor. Também adoro o trabalho de chefs que conseguem unir isso à alta gastronomia. O Onildo Rocha, da Paraíba, por exemplo, tem uma comida sofisticada, tendo como base as raízes da nossa culinária.

Comedoria_caipirinha de kiwi,morango e caju_crédito Rodrigo Azevedo (3)

Como surgiu a ideia dos seus bolinhos tão famosos? Quando gosto de algo, pego determinado ingrediente, e tento pensar em uma maneira simples e diferente de servi-lo. Foi assim com o bolinho de feijoada. Às vezes, as pessoas querem comer um pouco da feijoada, mas não ela completa…

O que não te interessa em matéria de culinária brasileira? Não sei se seria “não se interessar.” Amo a culinária brasileira, mas tento fugir um pouco de ingredientes que são difíceis de conseguir ou trazer para o Rio. A culinária da Amazônia, por exemplo. Se você colocar no cardápio, tem que entregar aquilo para o cliente, e nem sempre é fácil conseguir os ingredientes de lá. Além do mais, a culinária de lá já foi muito falada e comentada, quero agora levantar bandeiras de outras regiões.

Aconchego Carioca_chef Kátia Barbosa_crédito Tomás Rangel

O que gostaria de falar sobre a sua nova casa, no Leblon? É um bar de comida brasileira, feita com amigos para amigos. É um projeto antigo, e que está me deixando animada. Tenho a oportunidade de brincar mais aqui. Criei receitas com ingredientes que já vinha estudando há um tempo e também incluí no cardápio pratos que são homenagens a amigos queridos, também cozinheiros. A carta de cachaça também foi assinada por dois amigos meus… acho que esse é o espírito! Um lugar bacana, perto da praia, que dá para petiscar, tomar uma cervejinha, almoçar ou tomar um caldo na madrugada. As pessoas acham que para ser um bar de comida brasileira (de verdade) tem que estar no subúrbio. Fico feliz de poder trazer esta ideia também para a Zona Sul.

Serviço: Comedoria – Rua Rainha Guilhermina, 48 – Leblon, Rio de Janeiro. Tel.: (21) 2294-2913

Fotos: divulgação (petiscos e bebida da nova casa, a Comedoria)

 

Aprenda a fazer o bolo suflê de chocolate belga da Edir Nascimento

_MG_2268

A receita é deliciosa e rende sete porções

Ingredientes: 270 g de chocolate belga 70%; 4 gemas de ovo; 3 ovos inteiros; 1 xícara de açúcar; 1 xícara de creme de leite; 1 xícara de farinha de trigo; 80 g de manteiga; 1 colher de sobremesa de fermento em pó.

_MG_2239

Modo de fazer: Derreter o chocolate em banho-maria. Aquecer o creme de leite. Misturar as gemas e o açúcar e mexer bem. Depois, colocar os ovos e misturar bem. Misturar, em seguida, o creme de leite e o chocolate derretido. Coar a farinha e mexer bem. Colocar o fermento em pó. ASssar em forminhas pequenas untadas ou em uma forma grande, a 180ºC.

_MG_2213

Serviço: www.edirnascimento.com.br

Fotos:  Cintia Sanchez

Brasil a Gosto: mais um ano de vida

foto 1

Ontem almocei no restaurante Brasil a Gosto, em São Paulo. Ana Luiza Trajano, a chef da casa, estava feliz da vida, comemorando os nove anos da sua casa, que já se tornou endereço certo para quem gosta de comida brasileira de qualidade.

Entre convidados e clientes cativos, a chef apresentou parte do novo cardápio fixo, com criações inspiradas em mais de dez anos de pesquisa país afora.

Entre os 150 pratos que já fez na casa, nesses anos todos, destacou o bolinho de aipim com linguiça Blumenau (R$ 29), o canapé de banana com queijo cremoso e geleia de pimenta (R$ 20), petiscos que retornam ao menu (foto abaixo). Entre as entradas estão o creme de abóbora com gengibre e castanha (R$ 29) e o pirarucu marinado em três limões e batata doce caramelizada (R$ 49). A salada de abóbora com queijo da Serra da Canastra, folhas verdes e vinagrete de mel de engenho (R$ 29) é outro prato que volta.

foto

Entre os principais, destaques para o arroz de pato com tucupi e castanha do Brasil (R$ 79) – foto abaixo; camarão crocante com creme de bobó e arroz de coco (R$ 89); pirarucu na folha de bananeira acompanhado com purê de banana e legumes (R$ 79) e carne-seca com arroz-cateto, abóbora e couve rasgada (R$ 65).

Para a sobremesa, a chef traz de volta seu pudim de tapioca com calda de açaí (R$ 20) e doces da fazenda… de leite, bananada e doce de abóbora. Todos servidos com queijo colonial, cuja fabricação é feita por pequenos produtores nos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

foto-3

As novidades não param por aqui. Ao lado da sua equipe de cozinha, a chef anunciou a nova decoração da casa, que recebeu colagens com Ipês floridos, falou do terceiro livro, que sai até o fim do ano, além de anunciar o projeto Boteco Brasil a Gosto, que acontece nas noites de domingo, entre 25 de janeiro e 26 de fevereiro, com petiscos de boteco, caipirinhas, cerveja gelada e roda de samba. Há ainda o projeto de uma Kombi que ficará parada na rua, na frente do restaurante, vendendo comidinhas feitas pela chef. Legal, não é? O Tudo al Dente deseja mais sucesso para a querida e inspirada Ana Luiza!

Serviço: Brasil a Gosto, R. Professor Azevedo Amaral, 70 – Jardim Paulistano. Tel. (11) 3086-3565

 

Aprenda a fazer moqueca de caju

foto (1)

Provei hoje a moqueca de caju, prato delicioso com cara do verão, feito por minha amiga, Cintia Sanchez, da banqueteria Manje Culinária.

A Cintia é fotógrafa de olhar inspirado e cozinheira de mão cheia. Participou do programa de tevê Master Chef, da Band, sendo admitida por lá ao fazer este prato. Segue a receita, que ela serviu com arroz integral misturado com quinua.

Moqueca de caju (de Cintia Sanchez – serve 8 pessoas)

Ingredientes: 10 cajus cortados em cubinhos; 10 tomates sem pele cortados em cubinhos; 2 cebolas grandes cortadas em cubinhos; 1 talho de alho poró cortado em cubinhos; 3 dentes de alho picados; 150 gramas de azeitonas pretas cortadas em cubinhos; 1 pimenta dedo de moça cortada ao meio sem sementes; 20 ml de azeite de oliva; 20 ml de vinagre de maça; 10 ml de óleo de coco; 50 ml de leite de coco; folhas de manjericão a gosto; sal a gosto.

Modo de fazer: coloque o caju, o vinagre e a pimenta de molho em 2 litros de água por 1 hora. Escorra o caju, retire a pimenta e reserve. Em uma panela grande refogue no azeite, o alho, a cebola e o alho poró, acrescente o caju e refogue por mais 2 minutos. Na sequência, acrescente os tomates, envolva-os na mistura e coloque 2 litros de água na panela, deixe cozinhar por 40 minutos em fogo baixo. Após o cozimento, acrescente o leite de coco e as azeitonas, deixe cozinhar por mais 10 minutos. Para finalizar, acrescente o óleo de coco, o sal e as folhas de manjericão. Cozinhe por mais 2 minutos. Sirva com arroz integral, quinua ou arroz 7 grãos. Bom apetite!

Serviço: Manje Culinária: https://www.facebook.com/manjeculinaria?fref=ts