Uma sereia na terceira onda do café

Por Maria Carolina Freire R. de Lima *

café da condessa 3

Meu amigo Rubem Duailibi, o “D” da agência de publicidade DPZ, gosta de dizer que me pareço com a Lucy Van Pelt, a amiga xereta e sarcástica do Charlie Brown. Lucy possui uma maneira única de ver as coisas e chega ao ponto de ter uma barraquinha onde ela atende e cobra pelas análises psicológicas que dá sobre os problemas de seus amigos.

Nunca me senti tão Lucy Van Pelt como na SIC – Semana Internacional do Café, que aconteceu em fins do mês passado.

Lá, como Lucy, eu também tinha uma barraquinha, que deveria se posicionar como a “Terceira Onda do Café”, a onda que valoriza os diversos tipos de preparo da bebida. Uma “Onda” onde os surfistas são todos aqueles baristas super cools, jovens e tatuados.

Mas daí eu quis fazer diferente e inventei uma edição limitada chamada “Saquinho de Ouro”. Um café com uma embalagem inspirada nos “fascinators” criados pelo chapeleiro super fashion Philip Treacy para a Duquesa de Cambridge, Kate Middleton.

E foi um sucesso. Os tais saquinhos eram fotografados até de ponta cabeça na esperança de serem copiados em alguma edição futura ou para brindes de final de ano. Se tornaram as “sereias da nova onda do café”.

Estranhamente ninguém me perguntava mais sobre o café, mas como é que eu tinha montado minha empresa, porque ela era muito diferente. Teve gente que voltou no dia seguinte trazendo outras pessoas apenas para mostrá-la e conversar comigo.

Resultado: Passei os dias da SIC dando consultoria. Pensei até em mudar o nome da empresa de “Café da Condessa” para “Van Pelt’s Coffee Consulting”.

A coisa foi tão séria que resolvi compartilhar com vocês alguns tópicos que considero importantes para a abertura de qualquer empresa ou para qualquer movimento na vida.

café da condessa2

Então, vamos filosofar um pouco.

  • O seu desejo está de acordo com o desejo do mundo?

Montei a empresa porque tinha voltado para assumir meu papel de herdeira na fazenda do meu pai. Era esperado eu trabalhar com café. Então, criei uma situação que se parecia comigo dentro do contexto que estava sendo inserida.

  • Você se sente pertencendo a este novo Universo?

Minha empresa atua como uma ponte. Ela relaciona o mundo onde eu estava inserida com o mundo ao qual eu viria a me inserir.

Eu vivia no mundo que consome o café do meu pai. Portanto, entendo o diálogo que tenho com meus consumidores finais.

Minha empresa é o meu jeito de trabalhar com café.

  • Você está pronto para fazer uma escolha de vida?

Escolhas de vida incluem planejamentos a serem executados em um curto período de tempo e outros a médio e longo prazos.

É necessário ser honesto consigo mesmo e entender que é preciso se sacrificar, além de ter resiliência.

  • Por que você quer ter uma empresa?

Se você não soube responder direito às perguntas anteriores ou você quer uma empresa, simplesmente, porque todo mundo quer ou, pior ainda, o seu único motivo é dinheiro saiba que montando uma nova empresa você tem grandes chances é de perdê-lo.

Um empreendedor é uma pessoa que realiza uma ideia.

A ideia pode até ter sido instantânea, mas sua realização leva tempo.

Boa sorte!

café da condessa

* Maria Carolina Freire R. de Lima é empresária, cafeicultora e criadora da marca Café da Condessa.

Anúncios

2 thoughts on “Uma sereia na terceira onda do café

  1. Como dizia Adoniran Barbosa, quando queria elogiar: Muito terapêutico. Acrescento: e pedagógico! Saudações a Condessa Carolina Van Plet’s.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s