Aprenda a fazer 10 receitas do livro novo da chef Ana Luiza Trajano

Livro Básico_Capa_Alexandre Schneider.jpg

SALADA DE MAIONESE 

12 porções

1 hora

Fácil

4 batatas em cubos médios

3 cenouras em cubos médios

3 chuchus em cubos médios

1½ xícara (chá) de ervilha fresca

1 gema

1 colher (sopa) de mostarda amarela

½ garrafa de óleo milho

Suco de ½ limão

Salsinha picada

Sal e pimenta-do-reino a gosto

Cozinhe os legumes separadamente em água com um pouco de sal até ficar al dente; retire e coloque em uma vasilha com água e gelo, para interromper o cozimento. Enquanto esfriam, prepare a maionese: bata a gema com a mostarda e despeje o óleo em um fio contínuo, batendo sem parar até engrossar. Tempere com o suco de limão, salsinha, sal e pimenta-do-reino. Junte os legumes e misture com cuidado, para não amassar. Sirva fria ou gelada.

TUTU DE FEIJÃO 

6 porções

30 minutos

Fácil

½ xícara (chá) de toucinho defumado picado

2 colheres (sopa) de banha ou manteiga de garrafa

½ cebola picada

3 dentes de alho picados

500 g de feijão cozido com caldo

¾ de xícara (chá) de farinha de mandioca fina

½ maço de cebolinha-verde em rodelas finas

Torresmo, para acompanhar

Sal e pimenta-do-reino a gosto

Refogue o toucinho na banha, até dourar. Junte a cebola e o alho e refogue mais um pouco. Acrescente o feijão com o caldo e aqueça. Com uma colher, amasse os grãos – se quiser, pode bater no liquidificador, mas o objetivo é deixar rústico. Tempere com um pouco de sal e pimenta-do-reino e acrescente a farinha de mandioca aos poucos, mexendo sem parar. Cozinhe por alguns minutos e finalize com a cebolinha. Sirva com os pedaços de torresmo por cima.

PICANHA ASSADA COM SAL GROSSO

4 porções

1h10

Fácil

1 picanha com 1 kg

Sal grosso

Tempere a picanha com sal grosso de todos os lados, sem exagerar. Coloque numa assadeira e cubra com papel-alumínio. Leve ao forno 180°C por cerca de 1 hora, ou até ficar macio. Tire o papel e deixe dourar um pouco antes de servir.

 LEITOA PURURUCA

10 porções

5-6 horas, mais o tempo para marinar

Difícil

½ leitoa cortada no sentido do comprimento

1 garrafa de vinho branco

5 dentes de alho amassados

2 garrafas de óleo de milho

Sal e pimenta-do-reino a gosto

Faça furos na leitoa e tempere com o vinho, o alho, sal e pimenta-do-reino – esfregue principalmente na parte de dentro. Deixe marinar por 2 horas. Cubra a carne com papel-alumínio e asse em forno preaquecido a 200°C, por cerca de 2h30, ou até estar macia. Coloque a leitoa sobre uma grade e seque a pele com papel-toalha, para retirar o excesso de líquido. Aqueça bem o óleo. Coloque uma luva de pano e, com uma concha, despeje o óleo quente sobre toda a pele do porco, até pururucar. Tome muito cuidado para não se queimar.

ESMIUÇANDO: Foi por causa dessa receita que eu quis aprender a cozinhar. Quando Dona Altina preparava a leitoa para a ceia, os mais velhos se serviam primeiro. Só depois vinham as crianças e, na minha vez, eu ficava apenas com a carne, pois a pele pururuca que eu tanto adorava já tinha acabado. Quando comecei a cozinhar, portanto, me dei o direito de tirar umas lasquinhas assim que a pele pururucava. O nome desse preparo, tão tradicional no interior de São Paulo e Minas Gerais, tem uma origem curiosa. Pururucar é um termo que vem do tupi-guarani como variação da palavra pororoca, que significa “estrondo”.

ARROZ DE FORNO 

6 porções

1h40

Médio

 1 kg de tomates

750 g de carne moída (patinho)

5 colheres (sopa) de óleo de milho

1 cebola picada

2 dentes de alho picados

1 folha de louro

2½ xícaras (chá) de arroz branco

2 xícaras (chá) de queijo muçarela ralado grosso

½ xícara (chá) de azeitona verde picada

3 ovos batidos

½ maço de cheiro-verde picado

3 xícaras (chá) de queijo parmesão ralado

Sal e pimenta-do-reino a gosto

Coloque o tomate em uma panela e cozinhe em fogo baixo, sem água, até desmanchar. Bata no processador, passe por uma peneira e reserve. Tempere a carne com sal e pimenta-do-reino. Refogue em 3 colheres (sopa) de óleo, até ficar sequinha. Junte ½ cebola e 1 dente de alho; refogue mais um pouco, até murchar. Acrescente o molho de tomate e o louro; cozinhe por 20 minutos. Enquanto isso, prepare o arroz branco: refogue a cebola e o alho restantes em 2 colheres (sopa) de óleo. Adicione o arroz, cubra com 5 xícaras (chá) de água morna e tempere com sal. Quando estiver cozido, acrescente o molho de carne moída. Deixe esfriar um pouco e junte a muçarela, a azeitona, os ovos e o cheiro-verde, misturando bem para ficar uniforme. Coloque em um refratário, cubra com o queijo parmesão e leve ao forno preaquecido a 180°C, até dourar. Sirva quente. O arroz de forno é uma receita de aproveitamento – ou seja, bem versátil. Dá para acrescentar ingredientes como milho ou ervilha, por exemplo, e trocar a carne moída por frango desfiado ou carne de porco em cubinhos.

FEIJÃO TROPEIRO 

16 porções

2 horas

Fácil

1 kg de feijão carioca ou roxinho

4 colheres (sopa) de banha de porco

2 xícaras (chá) de toucinho defumado em cubinhos

2 linguiças frescas sem a pele

1 cebola picada

3 dentes de alho picados

4 xícaras (chá) de farinha de mandioca torrada fina

8 ovos cozidos em rodelas

1 maço de cebolinha-verde em rodelas finas

Sal a gosto

Cozinhe o feijão com um pouco de sal até ficar al dente; descarte o caldo e reserve. Aqueça a banha e frite o toucinho até dourar; junte a linguiça, frite até ficar cozida e, por fim, refogue a cebola e o alho. Coloque o feijão, adicione a farinha de mandioca, misture bem e deixe dourar levemente. Acerte o tempero e finalize com os ovos e a cebolinha. Se quiser, sirva com torresmos

ESMIUÇANDO: O nome remete aos comerciantes que viajavam por todo o país, especialmente entre os estados de São Paulo, Minas Gerais e Goiás, a partir do século 17. A receita nada mais é do que uma refeição completa feita a partir de ingredientes que poderiam ser carregados por eles ou facilmente encontrados pelo caminho.

GELATINA COLORIDA 

6-8 porções

3-4 horas

Médio

4 caixas de gelatina (sabores a gosto)

1 colher (sopa) de gelatina em pó sem sabor

½ xícara de leite

2 xícaras de creme de leite fresco

5 colheres (sopa) rasas de açúcar

Prepare as quatro caixas de gelatina separadamente, seguindo as instruções da embalagem. Quando endurecer, corte em cubinhos e mantenha na geladeira. Coloque 2 colheres (sopa) de água em uma vasilha pequena, polvilhe a gelatina em pó e misture bem. Deixe hidratar por 2 a 3 minutos. Aqueça o leite, acrescente a gelatina hidratada e mexa para incorporar. Junte o creme de leite e o açúcar e misture delicadamente à gelatina colorida. Leve à geladeira até firmar.

PAVÊ DE CHOCOLATE COM BISCOITO CHAMPANHE 

8 porções

4 horas

Média

5 xícaras (chá) de leite, mais um pouco para umedecer os biscoitos

1 xícara (chá) de açúcar

2 ovos

½ xícara (chá) de amido de milho

1 colher (sopa) de manteiga

3 pacotes de biscoito champanhe

4 colheres (sopa) de chocolate em pó

1 ½ xícaras (chá) de chocolate meio amargo picado

1 xícara (chá) de chocolate ao leite picado

½ xícara (chá) de creme de leite fresco

Para o creme, leve o leite e o açúcar ao fogo. Bata os ovos na batedeira até dobrar de tamanho. Dilua o amido no leite quente e adicione aos ovos, aos poucos, para não coagular. Volte ao fogo brando até engrossar. Tire do fogo e adicione a manteiga. (Se desejar, adicione 4 gotas de essência de baunilha ou 1 fava de baunilha.) Espere esfriar. Umedeça os biscoitos em um pouco de leite misturado ao chocolate em pó. Em um refratário, monte uma camada de biscoitos e uma de creme; repita. Derreta o chocolate meio amargo e ao leite em banho-maria e misture ao creme de leite fresco, até formar uma calda densa. Cubra o pavê com a calda e leve ao freezer para gelar.

RABANADA

6 porções

20 minutos

Fácil

3 pães de sal

2 xícaras (chá) de leite

2 xícaras (chá) de açúcar

3 ovos

4 colheres (sopa) de manteiga

½ xícara (chá) de canela em pó

Corte os pães em fatias. Misture o leite, metade do açúcar e os ovos bem batidos. Passe os pães no leite, dos dois lados, e frite em manteiga. Depois passe no açúcar e na canela e sirva.

ESMIUÇANDO: Presente até hoje nas ceias de Natal em Portugal, a rabanada também se conhece como fatia de parida ou fatia dourada. Na Bahia, comia-se com café do mesmo modo que banana frita com canela e açúcar ou fruta-pão cozida e assada.

BOLO GELADO DE COCO 

Rendimento: 1 forma retangular
Tempo de preparo: 1h30

2 xícaras (chá) de açúcar

4 ovos

2 colheres (sopa) de manteiga sem sal

1 xícara (chá) de leite

2 xícaras (chá) de farinha de trigo

3 colheres (sopa) de coco fresco ralado fino

1 colher (sopa) de fermento químico

Ingredientes cobertura:

1 xícara (chá) de açúcar

1½ copo (americano) de leite de coco

1 xícara (chá) de coco ralado fresco

Bata no liquidificador o açúcar, os ovos, a manteiga e o leite. Adicione a farinha de trigo e o coco ralado; misture. Incorpore o fermento e transfira para uma forma quadrada ou retangular untada e enfarinhada. Asse em forno preaquecido a 160°C por cerca de 35 minutos. Misture os ingredientes da cobertura. Retire o bolo do forno, deixe esfriar e corte em quadrados. Mergulhe os pedaços na cobertura e esprema delicadamente para tirar o excesso de líquido; se desejar, embrulhe em papel-alumínio. Leve à geladeira antes de servir.

ESMIUÇANDO

As fatias desse bolo embrulhadas em papel-alumínio foram um clássico das festas infantis na década de 1980. Eu mesma me lembro de ter participado de vários aniversários no interior em que o “bolo” era uma grande estrutura de isopor, decorada com o motivo da festa. Dentro estavam os pedaços de bolo gelado de coco, embrulhados no alumínio para manter a temperatura e a umidade. No Sul, é conhecido como “toalha felpuda”.

Ana-Luiza-Trajano.jpg

Sobre a obra: Básico, o novo livro de Ana Trajano, apresenta a cozinha brasileira viva em várias versões. São 512 receitas, resultantes dos dezenove anos de andanças pelo nosso país e de muitas pesquisas da autora sobre a nossa culinária de raiz. Ele começa com um Tira-gosto, capítulo de petiscos que dá boas-vindas ao leitor da mesma maneira que recebemos nossos amigos em casa. Depois vêm os pratos principais, Mistura, seguidos pelos acompanhamentos que ajudam dar Sustância ao prato. Em seguida, as Sobremesas que revela a Fartura da doçaria brasileira e por fim, os Pães e Quitandas que acompanham nosso tradicional cafezinho. O livro revela toda a diversidade gastronômica brasileira com belíssimas fotos de encher os olhos. A obra convida a todos a manter e a resgatar a autoestima de nossa cozinha e incentivar a presença dessa cozinha cada vez mais nos cursos, pesquisas e bibliografias, torcendo para que ingredientes como azeite de dendê, manteiga de garrafa e boas farinhas de mandioca, entre outros, abandonem o rótulo de “regionais” para tornar- se, como o arroz e o feijão, parte de nosso dia a dia.

Serviço:
Básico: enciclopédia de receitas do Brasil, de Ana Luiza Trajano, formato: 21 x 28, 416, 2017

 

 

 

 

Anúncios

Veja os melhores do mundo da gastronomia, no Brasil

jefferson rueda.jpg

Pelo 13º ano consecutivo, a revista Prazeres da Mesa premiou os melhores do ano no mundo da gastronomia. Chefs, críticos, estudiosos e especialistas da gastronomia indicaram os finalistas, eleitos em votação popular. Foram 22.174 votos válidos. Veja a lista completa abaixo:

Personalidade da Gastronomia:  Raul Anselmo Randon (O empresário faz parte daquele time que poderia estar aposentado e apenas curtindo tudo o que construiu. Porém, Raul Anselmo Randon pertence ao grupo de pessoas que sente prazer em fazer, criar e inovar. O grupo Randon engloba dez empresas, entre elas uma das maiores fabricantes mundiais de carrocerias de caminhão e de implementos agrícolas. Mas aqui ele é premiado pelas contribuições para a boa mesa. Começa por excelente produção de maçãs, passa pelos vinhos RAR, que elabora em parceria com a vinícola Miolo, na qual é um dos sócios e chega aos queijos. Produtor de um excelente grano padano, ele se prepara para colocar no mercado um parmesão cheio de estilo).

Responsabilidade Social: Instituto ATÁ (Há três anos, Alex Atala e um grupo de apoiadores resolveram criar um instituto para fortalecer as cadeias produtivas dos alimentos provenientes da biodiversidade brasileira. O Instituto Atá cerrou fileira em projetos emblemáticos que definiram um modo operacional, que pode de fato impactar positivamente as cadeias de produção e comercialização de produtos provenientes de comunidades indígenas e tradicionais).

Chef do Ano: Jefferson Rueda (A Casa do Porco Bar, São Paulo, SP) – foto acima

Outros finalistas
André Saburó (Quina do Futuro, Recife, PE)
Daniel Redondo (Maní, São Paulo, SP)
Leonardo Paixão (Glouton, Belo Horizonte, MG)
Rafa Costa e Silva (Lasai, Rio de Janeiro, RJ)

Chef Revelação: Rodolfo de Santis (Nino Cucina, São Paulo, SP)

Outros finalistas
Ivan Ralston (Tuju, São Paulo, SP)
Lui Veronese (CRU – Balcão Criativo, Brasília, DF)
Marcelo Schambeck (Del Barbiere Bistro, Porto Alegre, RS)
Thiago Bañares (Tan Tan Noodle Bar, São Paulo, SP)

Restaurante do Ano: Maní (São Paulo, SP)

Outros finalistas
Lasai (Rio de Janeiro, RJ)
Manu (Curitiba, PR)
Olympe (Rio de Janeiro, RJ)
Tête à Tête (São Paulo, SP)

Restaurante do Ano Norte: Remanso do Bosque (Belém, PA)

Outros finalistas

Banzeiro (Manaus, AM)
La Coquette (Manaus, AM)
Lá em Casa (Belém, PA)
Manjar Das Garças (Belém, PA)

Restaurante do Ano Nordeste: Quina do Futuro (Recife, PE)

Outros finalistas
Amado (Salvador, BA)
Casa de Tereza (Salvador, BA)
Casa Roccia (João Pessoa, PB)
Wiella Bistro (Recife, PE)

Restaurante do Ano Sul: Ostradamus (Florianópolis, SC)

Outros finalistas
Floriano Spiess – Cozinha de Autor (Porto Alegre, RS)
Hashi (Porto Alegre, RS)
Manu (Curitiba, PR)
Nomaa (Curitiba, PR)

Restaurante do Ano Sudeste: Glouton (Belo Horizonte, MG)

Outros finalistas
Lasai (Rio de Janeiro, RJ)
Maní (São Paulo, SP)
Olympe (Rio de Janeiro, RJ)
Soeta (Vitória, ES)

Restaurante do Ano Centro-Oeste: Mahalo (Cuiabá, MT)

Outros finalistas
CRU – Balcão Criativo (Brasília, DF)
Íz Restaurante (Goiânia, GO)
Olivae (Brasília, DF)
Taypá (Brasília, DF)

Banqueteiro: Viko Tangoda, Viko Gastronomia

Outros finalistas
Alessandra Divani, Divani Gastronomia
Fasano, Buffet Fasano
Neka Menna Barreto, Neka Gastronomia
Vinícius Rojo, Rojo Criatividade Gourmet

Brigada de Ouro: D.O.M. (São Paulo, SP)

Outros finalistas
Fasano (São Paulo, SP)
Lasai (Rio de Janeiro, RJ)
Maní (São Paulo, SP)
Olympe (Rio de Janeiro, RJ)

Barista: Flavia Pogliani (The Little Coffee Shop, São Paulo, SP)

Outros finalistas
Danielly Soares (Amika Coffeehouse, Fortaleza, CE)
Graciele Rodrigues (Black Coffee, Curitiba, PR)
Léo Moço (Café do Moço, Curitiba, PR)

Chef Patissier: Carole Crema (La Vie em Douce, São Paulo, SP)

Outros finalistas

Diego Lozano (Escola de Confeitaria Diego Lozano, São Paulo, SP)
Lia Quinderé (Sucré Patisserie, Fortaleza, CE)
Rafael Barros (Opera Ganache, São Paulo, SP)
Saiko Izawa (A Casa do Porco Bar, São Paulo, SP)

Artesão da Gastronomia: Jatobá Orgânicos (conservas, geleias, molhos, purê de frutas, óleos, pimentas, temperos e purês e sopas) – Ouro Fino, MG

Outros finalistas
Guará Vermelho (vieiras) – Ubatuba, SP
Linguiçaria Real Bragança (embutidos) – Bragança Paulista, SP
Sítio Solidão (queijos) – Miguel Pereira, RJ
Ubaldo Angelini (legumes e pimentas) – Piedade, SP

Melhor Bar: A Casa do Porco Bar (São Paulo, SP)

Outros finalistas
Bar da Dona Onça (São Paulo, SP)
Frank Bar (São Paulo, SP)
Paris Bar (Rio de Janeiro, RJ)
Veríssimo (São Paulo, SP)

Melhor Café da Manhã: Padoca do Maní (São Paulo, SP)

Outros finalistas
Empório Jardim (Rio de Janeiro, RJ)
Julice Boulangère (São Paulo, SP)
Le Vin Bistro (São Paulo, SP)
Pain et Chocolat (São Paulo, SP)

Melhor sobremesa: Churros, Adega Santiago (São Paulo, SP)

Outros finalistas
Figos ao Porto com creme de mascarpone, Alloro Ristorante (Rio de Janeiro, RJ)
Morango com merengue e fitas de salsão, A Casa do Porco Bar (São Paulo, SP)
Texturas de coco, A Peixaria (São Paulo, SP)

Melhor Hambúrguer: 12 Burger & Bistrô (São Paulo, SP)

Outros finalistas
Holy Burger (São Paulo, SP)
Meats (São Paulo, SP)
Reserva T.T. Burger (Rio de Janeiro, RJ)
Z Deli (São Paulo, SP)

Melhor Pizzaria: Baco Pizzaria (Brasília, DF)

Outros finalistas
Carlos Pizza (São Paulo, SP)
Leggera – La Vera Pizza Napoletana (São Paulo, SP)
Speranza (São Paulo, SP)
Veridiana (São Paulo, SP)

Melhor Sanduíche: Z Deli (São Paulo, SP)

Outros finalistas
Bar Balcão(São Paulo, SP)
Da Roberta (Rio de Janeiro, RJ)
Ponto Chic (São Paulo, SP)
Town Sandwich & Co (São Paulo, SP)

Restaurante de Cozinha Brasileira: 
Mocotó (São Paulo, SP)

Outros finalistas
Aprazível (Rio de Janeiro, RJ)
Esquina Mocotó (São Paulo, SP)
Jiquitaia (São Paulo, SP)
Tordesilhas (São Paulo, SP)

Melhor Padaria: Padoca do Maní (São Paulo, SP)

Outros finalistas
Cum Panio (Belo Horizonte, MG)
Julice Boulangerie (São Paulo, SP)
PAO (São Paulo, SP)
Santo Pão (São Paulo, SP)

Melhor Sorveteria: Bacio di Latte (São Paulo e Rio de Janeiro, SP e RJ)

Outros finalistas
Cairu (Belém, Pará)
Casa Elli (São Paulo, SP)
Frida & Mina (São Paulo, SP)
Gelato Boutique (São Paulo, SP)

Melhor Comida de Rua: Da Roberta (Roberta Sudbrack, Rio de Janeiro, RJ)

Outros finalistas
Acarajé da Cira (Jaciara de Jesus Santos, Salvador, BA)
Buzina Food Truck (Jorge Gonzalez e Márcio Silva, São Paulo, SP)
Cilli Cucina Italiana (Felipe Cilli, São Paulo, SP)
Comedoria Gonzales (Checho Gonzales, São Paulo, SP)

Melhor Petisco de bar: Barriga de porco com goiabada (A Casa do Porco, São Paulo, SP)

Outros finalistas
Almofadinha de camarão (Aconchego Carioca, São Paulo e Rio de Janeiro)
Bolinho de bacalhau (Academia da Gula, São Paulo, SP)
Bolovo (12 Burger e Bistrô, São Paulo, SP)
Croquete de pato (Adega Santiago, São Paulo, SP)

Programa de Gastronomia: MasterChef Brasil (Rede Bandeirantes)

Outros finalistas
Bela Cozinha (Bela Gil, GNT)
Cozinha Prática (Rita Lobo, GNT)
Que Marravilha! (Claude Troisgros, GNT)
The Taste Brasil (GNT)

Livro do Ano: Ana Luiza Trajano – Misture a Gosto, Glossário de Ingredientes do Brasil (Editora Melhoramentos)

Outros finalistas
André Lima de Luca – All Fire (Editora Tapioca)
Bruno Cabral e Manuel Beato – Queijos brasileiros à mesa com cachaça, vinho e cerveja (Editora Senac)
Jean Claude Cara e Ligia Maria Salomão Cara – Vinhos da Borgonha: História, Tradição e Cultura (Editora Melhoramentos)
Milly Lacombe, Maní (Editora DBA)
Nilza Mendonça – Em Busca dos Sabores Perdidos (Editora Senac)

Mundo dos sabores

Pissani Massas Gourmet

A Pissani Massas Gourmet lança sua nova coleção de massas, denominada “Origens”. O chef Carlos Pissani teve como inspiração os quatro elementos da natureza (terra, água, fogo e ar) para criar os 10 novos sabores de massas recheadas. A nova coleção é um retorno às origens. Ao utilizar métodos de preparo do tempo das avós, como processos de cozimento em baixa temperatura e o uso de matérias-primas saudáveis, a Pissani volta aos princípios básicos da cozinha, mas sem perder a originalidade, criatividade e qualidade acima de tudo. As formas geométricas originais do quadrado (panzotti), do círculo (sorrentini) e do triângulo (triangoletti) com 6 categorias de recheios (queijos naturais não processados; vegetais frescos; carnes de qualidade Premium; frutos do mar e peixes escolhidos a dedo; além das frutas e doces) completam a surpreendente coleção “Origens”. Para criar a nova coleção, o chef Carlos Pissani inspirou-se no brilhante arquiteto catalão Antoni Gaudí, que acreditava que a originalidade consiste em voltar às origens.

Serviço: Pissani Massas Gourmet, www.pissani.com.br

***

Capa livro Vive la Cuisine

Chefs Troisgros, Suaudeau e Bassoleil lançam livro em São Paulo

“Vive la Cuisine! Os chefs que mudaram a gastronomia no Brasil” é uma bela mistura de biografias e receitas que conta a história dos três chefs franceses, de alma brasileira, que mais influenciaram e mudaram a gastronomia no país, desde que desembarcaram por aqui entre as décadas de 1970 e 1980.

Comparados por J. A. Dias Lopes aos “Três Mosqueteiros”, Claude Troisgros, Laurent Suaudeau e Emmanuel Bassoleil têm suas trajetórias de vida contadas e receitas reveladas em livro editado por André Boccato e lançado pela Boccato Books.

São 35 importantes receitas reunidas na obra, precedidas por textos biográficos e fotos pessoais que encantarão tanto os amantes da culinária desses três “invasores” franceses quanto àqueles que estão dando os primeiros passos no mundo da gastronomia.

 A noite de autógrafos será na Livraria Cultura do Conjunto Nacional no dia 27 de outubro.

***

monica rangel magali mauricio de sousa

No dia 24/10, sábado, Mauricio de Sousa e Mônica Rangel lançam o livro Caderno de Receitas da Magali, da Editora Senac São Paulo e Mauricio de Sousa Produções, que traz as receitas preferidas da personagem mais gulosa da Turma da Mônica.

O livro é dividido em capítulos com as receitas de personagens da turma, como a Dona Lina, da padaria do Quinzinho, da Vovó Cota, os doces da Tia Nena e os sucos e sorvetes da própria Magali. Dos pratos mais tradicionais, como a maçã do amor ou o sonho, passando pelos bolos no palito, de milho ou pelas receitas salgadas, como o macarrão com queijo ou a pizza de frigideira, Caderno de Receitas da Magali também traz ilustrações e tirinhas dos estúdios de Mauricio de Sousa.

A sessão de autógrafos, com senhas limitadas, será das 14h30 às 16h30, na Livraria Cultura do Shopping Iguatemi, na Avenida Brigadeiro Faria Lima, 2232 – Jardim Paulistano, em São Paulo.

 ***

ana luiza trajano

A chef Ana Luiza Trajano acaba de lançar mais uma de suas experiências de brasilidade. É o Brasil na Rua, que leva criativas e saborosas receitas para serem degustadas fora do Brasil a gosto. A iniciativa é uma parceria entre o restaurante e o gaúcho Versão Brasileira, famosa Kombi de comida de rua, comandado pelo chef Lawrence Andreis, cuja proposta é a valorização dos ingredientes brasileiros.

Apaixonada por essa gastronomia popular e inspirada nos sabores encontrados durante suas viagens de pesquisa em busca de nossos registros culinários, a chef preparou uma série de receitas que incluem uma entrada (R$ 10), lanches (R$ 20), arrozes (R$ 20) e sobremesas (R$ 8). Há também a opção do combinado (R$ 35), que inclui a entrada, um lanche ou um prato e um quebra-queixo.

Serviço: Calçada do Restaurante Brasil a Gosto – Almoço (12h às 15h); Datas: (terça à quinta) 20, 21, 22, 27 e 28 Outubro/ 03, 04, 05, 10, 11 e 12 de Novembro 

***

Carlos Bertolazi, Zi Saldanha e Gilda Bley - Foto Leonardo Nones (4)

Aconteceu hoje a coletiva de imprensa da terceira temporada do reality show Hell’s Kitchen – Cozinha Sob Pressão, competição de formato da iTV com produção pela FremantleMedia, que volta ao ar em horário nobre, no sábado, dia 31 de outubro, às 21h30, no SBT, com patrocínio da FriboiSeara e Cacau Show.

O chef Carlos Bertolazzi volta ao comando da cozinha mais temida do Brasil, que está repleta de novidades e com uma disputa ainda mais rigorosa entre os 16 profissionais que almejam ser o melhor cozinheiro profissional do País. “É uma felicidade muito grande estar aqui. Nem acredito que estou na coletiva da terceira temporada do Hell’s Kitchen. Lembro de quando tudo começou, de maneira rápida em minha vida, mas a gente foi construindo esse caminho junto com o pessoal do SBT. E hoje a gente está aqui fazendo, provavelmente, nas palavras do Pelégio (diretor de Planejamento Artístico e Criação do SBT), a temporada mais bonita de todas”, declarou Bertolazzi durante conversa com a imprensa.

 Para a temporada, a atração ganha um cenário mais amplo, decoração remodelada e uma nova direção, agora sob comando de Adriana Cechetti, que também dirigiu o bem-sucedido “Bake Off Brasil – Mão Na Massa” no SBT.

Os telespectadores vão se deparar ainda com outra novidade: o nome original do reality show.“Nesta edição, apostamos no título original do formato que é um grande sucesso em diversos países, como EUA, Reino Unido, Itália, entre outros. A temporada também conta com um cenário mais espaçoso, para que os cozinheiros consigam desenvolver melhor suas habilidades. E a área de convivência está ainda maior”, diz Paula Cavalcanti, CEO da FremantleMedia.

 Fotos: Divulgação

Chef Ana Luiza Trajano e Cacau Show lançam linha especial de chocolates

packs

Os sabores típicos brasileiros pesquisados pela chef Ana Luiza Trajano, do Brasil a Gosto, agora recheiam chocolates. Ontem fui ao seu restaurante para o almoço de imprensa em que ela apresentou a linha Brasil a Gosto, da Cacau Show. os produtos estarão disponíveis nas quase 2 mil lojas da marca, em todo o Brasil, em meados deste mês.

A linha Brasil a Gosto é composta por bombons, tabletes e banhados. As novidades combinam chocolate com alta concentração de cacau e ao leite com geleias de frutas de sabor singular, como maracujá-da-caatinga, bergamota-montenegrina e umbu. As castanhas, provenientes do Acre e do Piauí, dão o toque especial aos tabletes e prometem uma intensa experiência.

“A criação da linha Brasil a Gosto, em parceria com Ana Luiza, tem como objetivo surpreender os apaixonados por chocolate com um conceito inovador. É um projeto encantador, que valoriza a brasilidade e utiliza a matéria-prima de nosso país como base para proporcionar experiências únicas de degustação. Além disso, a criação da nova linha incentiva e apoia o desenvolvimento da agricultura familiar, pois conta com ingredientes provenientes de comunidades sustentáveis. Harmonizamos, nas composições, nosso conhecimento em chocolates, nas suas diferentes intensidades, com o característico carinho, que faz parte de nossa cultura e história”, ressalta Alexandre Costa, presidente e fundador da Cacau Show.

Para a chef, parcerias como essa mostram como a união dos grandes fabricantes com os pequenos produtores pode gerar resultados de sucesso. “Abraçar a causa das comunidades sustáveis é um importante passo para cumprir a missão de valorizar uma cultura tão rica e diversificada quanto a nossa”, afirma Ana Luiza.

Produtos: 

Brasil Agosto_Cx_bombons

Caixa Gostos do Brasil 225 g

A caixa Gostos do Brasil traz 20 saborosos bombons, elaborados com chocolates de diferentes intensidades e frutas. Com cinco bombons de chocolate 70% recheados com geleia de maracujá-da-caatinga, cinco bombons de chocolate 70% com geleia de bergamota-montenegrina e dez bombons de chocolate 28% com geleia de umbu, as novidades proporcionam uma verdadeira viagem gastronômica pelo Brasil. A partir de R$ 32,90.

Brasil Agosto tab 70 100g

Tablete Brasil a Gosto 100 g

O tablete Brasil a Gosto chega ao mercado em duas versões, ambas cobertas de castanhas brasileiras. A primeira opção conta com uma camada de chocolate 28% sobre deliciosos pedaços de castanha-de-caju, amendoim e castanha-do-brasil. Já na segunda opção, as saborosas castanhas aparecem envoltas pelo intenso sabor do chocolate 70%. A partir de R$ 14,90.

 Banhados:

Brasil Agosto_Coberto_Banana

 Banana banhada com chocolate 155 g

Para petiscar em todos os momentos do dia, a Cacau Show apresenta uma deliciosa porção de banana liofilizada banhada com chocolate 28%. É uma sugestão que harmoniza o sabor característico da fruta, tipicamente brasileira, com o clássico chocolate da marca, em uma deliciosa combinação de texturas e sabores. A partir de R$ 25,90. Este foi o meu preferido.

Brasil Agosto_Cobertos_Castanha (2)

Castanha-do-brasil banhada com chocolate 155 g

Os amantes de chocolate de alta intensidade têm mais uma opção para se apaixonar: as castanhas-do-brasil, banhadas com o chocolate 70% da marca. A partir de R$ 25,90.

Gostei de todos. O meu preferido é o a banana banhada de chocolate ao leite.

Aliás, o chocolate ao leita da Cacau Show usado na receita está muito bom… me surpreendeu.

Serviço: http://www.cacaushow.com.br

Fotos: divulgação

Sabores do Piauí em São Paulo

Brasil a gosto_Caju Refrescante_Alexandre Schneider01

O Brasil a Gosto continua delicioso. Ontem fui provar o menu inspirado no Piauí feito a dez mãos, por Ana Luiza Trajano [ a anfitriã], Fábio Vieira, Flavia Quaresma, Monica Rangel e Neka Menna Barreto.

As receitas trazem experiências vividas pelo grupo de chefs entre o agreste e o litoral do Piauí nos meses anteriores e a ideia é valorizar a cultura e os ingredientes locais.

Monica Rangel abre o cardápio, que será servido nos próximos meses, com a Rosca de polvilho com requeijão de jerimum, queijo coalho e carne de caju, acompanhado por pesto de castanha com coentro e hortelã (R$ 29).

Brasil a gosto_Capote cozido com creme de milho tostado, leite de castanha e crocante de pregado_Alexandre Schneider02

A banqueteira Neka Mena Barreto cria entrada com caranguejos, um dos ícones do estado. Preparou o Creme e vinagrete de caranguejo com abacate, pimenta cheirosa e crocante de mandioca (R$ 49).

A criação dos pratos principais foi dividida entre a chef Ana Luiza e Fabio Vieira. Ele assina a receita do Capote cozido com creme de milho tostado, leite de castanha e crocante de pregado (R$ 93). Para dar intensidade ao sabor, o chef confitou a galinha e usou o pregado, um dos sucessos das mesas piauienses, para finalizar a receita.

Na outra opção de principal, Carne de sol de carneiro com paçoca, arroz Maria Isabel e maxixe em conserva (R$ 93), Ana Luiza se inspirou na riqueza do sabor da carne dos animais de pequeno porte, criados nos quintais da região e no tradicional arroz Maria Isabel, famoso naquelas bandas.

E para finalizar o menu, Flavia Quaresma fez do caju a estrela da sobremesa. No Quinteto de caju com coco, ela apresenta o Bolo de farinha de caju com sorvete de cajuína, doce e redução de caju com creme de coco (R$ 35).

Protagonista das opções de bebidas, o caju também compõe o Caju Refrescante – R$ 16 (Suco de caju, cajuína, calda de doce de caju, suco de limão e hortelã), a Caipirinha Maria Isabel – R$ 22 (Caju, calda de doce de caju, limão galego e cachaça) e o criativo e delicado Pingado de caju – R$ 12 (shot de licor de caju, cachaça e cajuína).

Serviço: R. Prof. Azevedo Amaral, 70 – Jardim Paulista, São Paulo

Fotos: divulgação

Brasil a Gosto visita o Espírito Santo

SCH

A chef Ana Luiza Trajano é danada! Nas suas últimas andanças Brasil afora, em busca de sabores e receitas, visitou o estado do Espírito Santo, encontrando uma culinária que vai muito além do oceano.

As receitas do litoral se unem aos sabores do interior, onde os imigrantes, principalmente os italianos, incorporaram novos ingredientes e aromas. A passagem pelas terras capixabas, revelou embutidos, diferentes queijos como o resteia e o puína, frutas e outras marcas deixadas pelos índios, italianos, africanos, pescadores, agricultores e artesãos.

Brasil-a-gosto_moqueca-baixa

Inspirada em sua recente viagem, acaba de lançar um menu para celebrar a região. Para começar, serve petisco formado por um trio composto por caldo de peixe, bolinho de arroz de polvo e marinado de siri. Para a entrada, Polenta braseada com molho de queijo resteia e socol (primeira foto do post).

Entre as sugestões de pratos principais estão a Moqueca capixaba (segunda foto) e a Rabada com feijão manteiga, acompanhada de purê de jaca. Para sobremesa, o Bolo de jaca com sorvete de puína é servido com calda de araçauna (abaixo). Tudo impecável, dos sabores dos ingredientes ao cozimento dos pratos, das fotos espalhadas pelo salão ao sorriso dos funcionários.

SCH_2

Serviço: Brasil a Gosto http://brasilagosto.com.br/

Fotos: divulgação

Brasil a Gosto: mais um ano de vida

foto 1

Ontem almocei no restaurante Brasil a Gosto, em São Paulo. Ana Luiza Trajano, a chef da casa, estava feliz da vida, comemorando os nove anos da sua casa, que já se tornou endereço certo para quem gosta de comida brasileira de qualidade.

Entre convidados e clientes cativos, a chef apresentou parte do novo cardápio fixo, com criações inspiradas em mais de dez anos de pesquisa país afora.

Entre os 150 pratos que já fez na casa, nesses anos todos, destacou o bolinho de aipim com linguiça Blumenau (R$ 29), o canapé de banana com queijo cremoso e geleia de pimenta (R$ 20), petiscos que retornam ao menu (foto abaixo). Entre as entradas estão o creme de abóbora com gengibre e castanha (R$ 29) e o pirarucu marinado em três limões e batata doce caramelizada (R$ 49). A salada de abóbora com queijo da Serra da Canastra, folhas verdes e vinagrete de mel de engenho (R$ 29) é outro prato que volta.

foto

Entre os principais, destaques para o arroz de pato com tucupi e castanha do Brasil (R$ 79) – foto abaixo; camarão crocante com creme de bobó e arroz de coco (R$ 89); pirarucu na folha de bananeira acompanhado com purê de banana e legumes (R$ 79) e carne-seca com arroz-cateto, abóbora e couve rasgada (R$ 65).

Para a sobremesa, a chef traz de volta seu pudim de tapioca com calda de açaí (R$ 20) e doces da fazenda… de leite, bananada e doce de abóbora. Todos servidos com queijo colonial, cuja fabricação é feita por pequenos produtores nos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

foto-3

As novidades não param por aqui. Ao lado da sua equipe de cozinha, a chef anunciou a nova decoração da casa, que recebeu colagens com Ipês floridos, falou do terceiro livro, que sai até o fim do ano, além de anunciar o projeto Boteco Brasil a Gosto, que acontece nas noites de domingo, entre 25 de janeiro e 26 de fevereiro, com petiscos de boteco, caipirinhas, cerveja gelada e roda de samba. Há ainda o projeto de uma Kombi que ficará parada na rua, na frente do restaurante, vendendo comidinhas feitas pela chef. Legal, não é? O Tudo al Dente deseja mais sucesso para a querida e inspirada Ana Luiza!

Serviço: Brasil a Gosto, R. Professor Azevedo Amaral, 70 – Jardim Paulistano. Tel. (11) 3086-3565

 

Aprenda a fazer quitutes com a chef Ana Luiza Trajano

Brasil a gosto_Fortaleza_Coxinha de macaxeira recheada de charque, jerimum e Catupiry, acompanhada de panelinha de tripa _Alexandre Schneider01

Desde fevereiro, a chef Ana Luiza Trajano, do Brasil a Gosto, vem realizando expedições nas doze cidades sede da Copa do Mundo 2014. Barraquinhas e pequenos restaurantes foram alvo da pesquisa. A pesquisa rendeu a criação de três cardápios de petiscos harmonizados com caipirinhas, servidos em três etapas no restaurante. O primeiro, até 11 de maio, homenageou Fortaleza, Recife, Salvador e São Paulo.

Brasil a gosto_Salvador_Mini acarajé – vatapá, caruru, camarão e vinagrete de tomate verde_Alexandre Schneider01

A chef serviu mini acarajés, de Salvador (acima); canudinho de massa de pastel com pernil e Catupiry, inspirados em São Paulo (abaixo):

Brasil a gosto_São Paulo_Canudinho de massa de pastel com pernil e Catupiry_Alexandre Schneider01

Também serviu cachorro quente de moela, do Recife (abaixo); e coxinha de macaxeira recheada de charque, jerimum e Catupiry, acompanhada de panelinha de tripa, quitute inspirado na comida popular de Fortaleza. A chef nos passou a receita deste último prato (veja a primeira foto do post).

Brasil a gosto_Recife_Cachorro quente de moela_Alexandre Schneider02

Coxinha de macaxeira com carne seca e Catupiry e Panelinha de tripa 

Panelinha de tripa (6 porções)

700 g de bucho limpo, 1 dúzia de tomate, 100 g bacon, 1 dente de alho picado, 1 limão (suco e raspas), 10 g salsinha picada, 10 g coentro picado, 1 folha de louro, 1 ramo de tomilho, sal e pimenta a gosto. Modo de preparo: Corte o bucho em tiras pequenas. Ferva água em uma panela média e coloque para branquear, deixe por aproximadamente 1 minuto, escorra. Repita o processo 5 vezes. Logo após coloque a bucho para cozinhar numa panela de pressão com sal, louro, suco de limão e tomilho. Depois que a panela pegar pressão, deixe 25 minutos cozinhando e escorra. Reserve. Enquanto isso, para o molho de tomate, doure o bacon, refogue o alho e adicione os tomates cortados em cubos grandes, apenas sem a pele. Em fogo baixo, deixe o tomate cozinhar por aproximadamente 40 minutos, ou até o tomate se desmanchar, se necessário ir acrescentando um pouco de água ao molho, para que ele não seque. Uma vez que o molho e o bucho estiverem prontos, juntar os dois para terminar o cozimento (aproximadamente 20 min). Ajustar os temperos se necessário e finalizar com raspas de limão, a salsinha e o coentro. Servir logo em seguida.

Coxinha de macaxeira com carne seca e Catupiry (30 unidades)

2 kg mandioca cozida, 150 g amido de milho, 2 ovos, Farinha de rosca, Sal e pimenta a gosto. Recheio: 1 kg carne seca, 300 g abóbora cabotia em cubos pequenos, 150 g Catupiry, 1 und cebola picada, 80 g manteiga de garrafa e 20 g cebolinha cortada. Modo de preparo:  Passar a mandioca cozida ainda quente  em um espremedor. Depois de obter o purê da mandioca (deve estar bem seco), adicionar o amido de milho e temperar com sal e pimenta. Para o recheio, dessalgar a carne seca e cozinhá-la na panela de pressão até que fique macia, para desfiá-la. Depois de desfiar a carne seca, refogar em uma panela a cebola na manteiga de garrafa, a abóbora em cubos bem pequenos e a carne seca, refogar por cerca de 5 minutos ou até que a abóbora fique macia. Reservar o recheio e esperar esfriar um pouco, para só então adicionar o Catupiry e a cebolinha. Para modelar as coxinhas, fazer bolinhas com a massa e como o dedo indicador fazer um buraco na massa. Com uma colher de café colocar o recheio e com as palpas das mãos modelar a coxinha. Uma vez que todas as coxinhas estão modeladas, passá-las no ovo batido e depois na farinha de rosca. Em óleo quente fritar as coxinhas e servir logo em seguida.

Serviço: Brasil a Gosto: R. Professor Azevedo Amaral, 70 – Jardim Paulistano, São Paulo, tel.: (11) 3086-3565